Área Restrita:

Acadêmico media debate virtual sobre orçamento dívida pública e cidadania

Na manhã do dia 11 de maio, o Sindicato dos Servidores da Câmara Municipal e do Tribunal de Contas do Município de São Paulo – Sindilex promoveu um debate virtual com especialistas para abordar orçamento, dívida pública e cidadania, além das consequências da crise da covid-19 no Brasil. Perdeu? Assista agora!

Na ocasião, o membro da Academia Paulista de Contabilidade – APC, Valmir Leôncio da Silva, que também é especialista em Administração Pública e membro do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo – CRCSP foi o mediador do evento.

Participaram do debate, Odilon Guedes, que é economista, especialista em finanças públicas; professor da FAAP e Faculdades Oswaldo Cruz e conselheiro do Corecon-SP. Guedes iniciou a atividade apresentando o assunto “A crise da Covid-19 e seus impactos no Orçamento Público”. Na sequência, Carmen Bressane que é Advogada e Coordenadora do Núcleo SP da Auditoria Cidadã da Dívida explanou o tema “A dívida pública como entrave ao enfrentamento da crise da Covid-19”.

A transmissão que durou cerca de 1h30, abordou pautas importantes que o País e a sociedade estão vivendo diante dessa pandemia mundial.

O orçamento da União, dos estados, munícipios e a dívida pública, foi um dos assuntos discutidos. O valor de caixa, que apresenta um orçamento de mais de 3 trilhões de reais, evidencia que metade desse orçamento está atrelado a dívida pública, ou seja, deve ser pago.

Segundo os especialistas esses valores já estavam comprometidos, por isso debateram como o governo federal vai fazer para repassar esse dinheiro, sendo que o valor já estava previsto no orçamento.

Também foram expostas quais as receitas que serão prejudicadas nesse momento de pandemia. Além da explicação do que é dívida pública, no que consiste e, pagando essas dívidas podemos quitar outras despesas importantes?

Os palestrantes questionaram o que mais importa neste momento: pagar a dívida pública ou prezar pela vida dos cidadãos que estão sofrendo as consequências da economia e do desemprego.

Foram abordadas também as transferências no fundo de participação dos municípios que somam cerca de 5.570 cidades, onde apenas 1.872, que é equivalente a um terço do fundo, não tem receita própria para poder se manter.

Durante o debate, os palestrantes analisaram o orçamento de guerra; o benefício emergencial, que cerca de 50 milhões de pessoas estão recebendo, e a situação dos 19 milhões de pessoas ainda não foram contempladas e aguardam a ajuda do governo.

Para os interessados no assunto e que não puderam acompanhar a live, a transmissão do debate ficou salva no canal do YouTube do Sindilex e pode ser assistida a qualquer momento.

ASSESSORIA      

DE LEON COMUNICAÇÕES

Texto: Bruna Lyra Raicoski

Edição: Lenilde De León